Revista Literária CNSA

Um olhar sobre da segunda metade da literatura do século XIX do alunos do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora

A Reforma da Natureza de Monteiro Lobato

A Reforma da Natureza  – monteiro lobato

A Reforma da Natureza é um livro infantil escrito por Monteiro Lobato e publicado pela primeira vez em 1939.

Dona Benta, Tia Nastácia e o Visconde de Sabugosa são convidados pelos chefes de Estado da Europa para participar da Conferência da Paz de 1945, como representantes da Humanidade e do Bom Senso. Desta forma, a pequena “República do Sítio do Picapau Amarelo” poderá ensinar à humanidade o segredo de bem governar os povos.Pedrinho  e Narizinho os acompanham, mas Emília fica no Sítio.

Na verdade, Emília não quis ir porque pretendia fazer a sua “reforma da natureza“. Com a ajuda de Rã, sua amiga do Rio de Janeiro, ela criou o passarinho-ninho; o livro comestível; o porco magro (testado no Rabicó); o sei-lá-que-animal-é-esse (testado no Quindim); o bule que apita; usaram as forças centrífuga e centrípeta para manipular acadeira de balanço de Dona Benta e a cama de Narizinho; colocaram as abóboras na jabuticabeira e as jaboticabas no pé de abóbora; o pernilongo cantor; a gaiola de cabelo; as pulgas moles e paradas no meio do ar; moscas sem asas; a reforma na vacamocha; reforma na personalidade das borboletas azuis.

Quando Dona Benta voltou, Emília perdeu quase tudo. Mas, com a ajuda de Visconde, fez sua nova reforma: fez enxertos in anima vile (“em animais vagabundos”), em formiga, grilo, minhoca, pulga e centopéia. Graças a isso, e uma ajuda das aulas sobre glândulas (as glândulas tireóide e pituitária), fizeram insetos gigantes, pulga que pulava à 220 metros de altura, e a “noventaequatropéia” (centopéia de noventa e quatro pernas), e minhoca de seis pernas, e muito mais coisas. A segunda parte da Reforma da Natureza, muitas vezes é encontrada num livro chamado “O Espanto das Gentes”. O livro comum só contem na maioria das vezes a primeira parte.

Análise crítica sobre a obra

Mais da metade de seus livros Monteiro Lobato escreveu para o público infanto juvenil, com a intenção de ajudar na formação intelectual e moral da nossa juventude. Há pelo menos três gerações de brasileiros que se desenvolveram sob a influência de suas
obras e de seu pensamento.

A outra parte de sua obra é basicamente política, como política era também sua militância intensa como jornalista e editor. Era política porque mostrava sua grande preocupação com a situação de nosso povo e seu engajamento nas lutas por mudanças na sociedade brasileira.

Consequência dessa luta sofreu as agruras das prisões e da perseguição.

Toda sua vida e seu trabalho estiveram dedicados à luta pela preservação dos valores culturais e das riquezas naturais da Nação. Foi pioneiro na luta pela preservação de nossas florestas, de nossos índios e de nossos bichos.

Militante da causa do progresso, Monteiro Lobato percebeu que só através dos jovens seria possível apressar a modificação do mundo. No cenário do sítio da dna. Benta fazia transcorrer o Brasil de seus sonhos: democrático, sem opressão, capaz de construir uma grande Nação.

E o fez opondo-se ao conceito de que crianças eram adultos reduzidos em idade e estatura, embora com a mesma psicologia. “A criança é um ser onde a imaginação predomina em absoluto”, defendia. “O meio de interessá-la é falar-lhe à imaginação”. “Escrever para crianças! – exclamou em resposta a um repórter – é admirável… Elas não têm malícia, aceitam tudo, tudo compreendem”.

Navegação de Post Único

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: