Revista Literária CNSA

Um olhar sobre da segunda metade da literatura do século XIX do alunos do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora

Leitura do poema Anoitecer de Olavo Bilac

Por Carlos Quintas

O poema começa com a tarde se extinguindo e logo anoitecer e descreve seu poema de forma bem detalhada com característica de seus poemas, comenta de uma maneira em que o leitor se sente como estivesse acontecendo tudo o que ele descreve no poema e sem perceber o leitor já está se sentindo tudo o que ele lê de uma forma natural Olavo escreve de uma forma para e como todos os parnasianos tentam ser de encantar quem a lê.

Ele é bem objetivo no seu título, por que e característica própria do parnasianismo, o poema começa de tarde e aos poucos quando tudo se acalma as aves em bando sobrevoam o sol, fogem… fecha-se as pálpebras do dia. Esse é o pôr do sol já quando ele começa a anoitecer ele diz A sombra à proporção que a luz recua A natureza apática esmaece Pouco a pouco, entre as árvores, a lua Surge trêmula, trêmula Anoitece.

Anúncios

Navegação de Post Único

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: