Revista Literária CNSA

Um olhar sobre da segunda metade da literatura do século XIX do alunos do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora

Biografia de Alphonsus de Guimaranes

Ana Flávia Bentes

Série: 2° ano “A”

Alphonsus Guimaraens, pseudônimo de Afonso Henrique da Costa Guimarães, nascido em Ouro Preto (MG) no dia 24 de julho de 1870 e faleceu em Mariana (MG) no dia 15 de julho de 1921, era filho de um português e uma brasileira. Foi estudante de direito em São Paulo, onde concluiu o curso em 1895. Voltou a Minas Gerais e exerceu a função de juiz durante toda a vida, primeiro em Conceição do Serro e depois em Mariana, onde viveu até a morte com sua esposa e quatorze filhos.

Ele era um grande admirador de Cruz e Souza e inclusive viajou ao Rio de Janeiro apenas para conhecê-lo. Participou do grupo simbolista de São Paulo e sua poesia é marcada pela espiritualidade, sendo considerado um poeta místico, suas obras apresentam uma atmosfera de religiosidade, sonho e mistério. Por influencia de Verlaine, também apresenta melancolia e ternura. A morte da amada é tema recorrente. Seus versos têm sonoridade e ritmo modernos.

“Kyriale” tem uma atmosfera densa e pesada, remete sempre à morte, ao dia de finados, desde as palavras escolhidas pelo poeta até o tom solene. Este é um traço do Romantismo Gótico, recuperado pelos simbolistas decadentes. Nas obras posteriores é a amada ausente quem aparece com freqüência. Portanto, seus temas preferidos eram amor e morte. Guimarães também foi tradutor de Haine e de poetas chineses, a partir do francês.

Alphonsus de Guimarães publicou crônicas e poesias em jornais e revistas, entre os quais se destacam: “Diário Mercantil” (São Paulo), “Comércio de São Paulo”, “Correio Paulistano”, “O Estado de S. Paulo”, “A Gazeta” (São Paulo), “O Germinal” (Mariana), “O Conceição do Serro” (Jornal Político), “Revista Fonfon” (Rio de janeiro), “Jornal do Comércio” (Juiz de Fora), “O Alfinete” (Mariana).

Constam na bibliografia de Alphonsus de Guimaraens, “Setenário das Doras de Nossa Senhora e Câmara Ardente” (1899); “Dona Mística” (1899); Kiriale (1902); Mendigos (1920); Pauvre Lyre (1921); “Pastoral aos Crentes do Amor e da Morte” (1923); “Poesias” (1938); “Poesias” (1955); “Poesias” (1958); “Cantos de amor, salmos e preces” (1972); “Os Melhores Poemas de Alphonsus de Guimaraens” ( 1985); “Alphonsus de Guimaraens – Poesia Completa” (2001).

Anúncios

Navegação de Post Único

4 opiniões sobre “Biografia de Alphonsus de Guimaranes

  1. Parabéns,gostei muito do seu trabalho,me fez compreender como que foi ao decorrer da vida de Alphonsus participou do Simbolismo e admirador de Cruz Souza.

  2. anne Benarrós em disse:

    ótima interpretação das imagens e linguagem

  3. Achei a historia de Alphonsus de Guimaraens bem interessante . Pois ele utilizou um pseudônimo, porque o seu nome verdadeiro é Afonso Henrique da Costa Guimarães.Ele era um grande admirador de Cruz e Souza e inclusive viajou ao Rio de Janeiro apenas para conhecê-lo. Participou do grupo simbolista de São Paulo e sua poesia é marcada pela espiritualidade, sendo considerado um poeta místico, suas obras apresentam uma atmosfera de religiosidade, sonho e mistério
    Por isso eu achei muito interessante.

  4. Era Considerado um dos grandes representantes do Simbolismo no Brasil, Alphonsus de Guimaraens iniciou sua incursão no jornalismo em São Paulo, em companhia dos colegas padre Severiano de Rezende e Adolfo Araújo, fundador de “A Gazeta”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: