Revista Literária CNSA

Um olhar sobre da segunda metade da literatura do século XIX do alunos do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora

Leitura de um Poema de Vicente de Carvalho

2. Análise do Poema de Vicente de Carvalho

“‘Deixa-me, fonte! ’ Dizia

A flor, tonta de terror.

E a fonte, sonora e fria

Cantava, levando a flor.

Deixa-me, deixa-me, fonte!

Dizia a flor a chorar:

Eu fui nascida no monte…

Não me leves para o mar.

E a fonte, rápida e fria,

Com um sussurro zombador,

Por sobre a areia corria,

Corria levando a flor.

Ai, balanços do meu galho,

Balanços do berço meu;

Ai, claras gotas de orvalho

Caídas do azul do céu!…

Chorava a flor, e gemia,

Branca, branca de terror.

E a fonte, sonora e fria,

Rolava, levando a flor.

Adeus, sombra das ramadas,

Cantigas do rouxinol;

Ai, festa das madrugadas,

Doçuras do pôr-do-sol;

Carícias das brisas leves

Que abrem rasgões de luar…

Fonte, fonte, não me leves,

Não me leves para o mar!”

As correntezas da vida

E os restos do meu amor

Resvalam numa descida

Como a da fonte e da flor”

(Vicente de Carvalho)

“O Parnasianismo foi uma escola literária que surgiu em meados do século XIX na França, se desenvolveu na Europa chegando ao Brasil na segunda metade do século XIX e teve força até o movimento modernista. Essa corrente literária foi uma forte oposição ao Romantismo, pois repudiava a subjetividade, a liberdade da rima, enfim, era contra as características do Romantismo representando, portanto, a valorização da ciência e do positivismo.

Os principais representantes do parnasianismo brasileiro foram: Raimundo Correia, Álvares de Azevedo e Vicente de Carvalho”.

Uma característica do Parnasianismo é a quebra da dependência do verso. Como podemos perceber a partir da 1ª estrofe como mostra o exemplo a seguir:

“Deixa-me, fonte! Dizia

A flor, tonta de terror.

E a fonte, sonora e fria,

Cantava, levando a flor.”

Esse recurso é utilizado para encontrar a rima, fundamental para os poetas parnasianos.

No poema encontramos rimas ricas. Como por exemplo: Gemia – Fria, Chorar – mar, Fria – Corria.

Rimas ricas caracterizam-se por ocorrerem em diferentes classes gramaticais. Por exemplo: Substantivo – Adjetivo, Verbo – Adjetivo.

Percebemos que no poema não existe uma singularidade do autor, ou seja, ou não existe uma subjetividade embora transmita tristeza, porém, o autor, momento algum, demonstra sentimentos, apenas acontecimentos. Eis então, outra característica do parnasianismo: Poesia descritiva e ausência de emoção. No mais, podemos notar clareza e sentido claro na poesia.

Anúncios

Navegação de Post Único

2 opiniões sobre “Leitura de um Poema de Vicente de Carvalho

  1. Antônio Matheus da Silva Miranda em disse:

    Vicente Augusto de Carvalho nasceu em Santos dia 5 de abril de 1866 e morreu em Santos dia 22 de abril de 1924, ele foi um advogado, jornalista, político, abolicionista, fazendeiro, deputado, magistrado, poeta e contista brasileiro. Era filho do major Higino José Botelho de Carvalho e de Augusta Carolina Bueno, descendente de Amador Bueno, o Anunciado.

  2. Vicente de Carvalho é um poeta parnasianista,seus poemas têm caracteristicas como:o sentimento vivo pela natureza,busca pela perfeição,usa diferenciadas classes gramaticais,preferência pelos sonetos….enfim…seus poemas sao ricos em rimas e bem feitos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: